quarta-feira, 22 de julho de 2009

A revolta não deveria ser pela morte de qualquer ser humano?

Hoje, o jornal dizia que o advogado de Suzane Richthofen pediu que ela cumpra a pena em regime semi-aberto.
Como já cumpriu um 1/6 da pena de 39 anos, ela já teria o direito de passar o dia fora da cadeia.

Vários exames foram feitos para analisar se a jovem pode ou não gozar deste benefício.

As pessoas colocam em seu coração um clamor especial quando o assassinato é de alguém da família. É como se pai e mãe não fossem humanos, mas sim seres sagrados.
E até são. Mas parto do princípio de que todo ser humano é sagrado para alguém, então cada um que é assassinado é o filho ou pai ou mãe de alguém, para o qual é sagrado.
Mas a violência já se tornou algo tão banal que só mesmo crimes com uma jovem que mata os pais é que faz as pessoas se indignarem.
Ontem, uma mulher andava na rua com seu bebê de um ano e um mês e foi morta por uma bala perdida em plena luz do dia. Cadê a revolta da sociedade?
Então, olhando esta jovem com cara de uma assassina qualquer e sendo crussificada como a única assassina da sociedade, fiquei me perguntando: A revolta não deveria ser pela morte de qualquer ser humano?

19 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Carla P.S. disse...

Deveria....
E não dê bola pra quem leva mais em consideração a forma do que o conteúdo.
Um chá de hortelã.

Rejane disse...

Ah, seu Sr. Anônimo, então quer dizer que você não escreve nem fala errado?
Desvios da língua todos nós cometemos. Se isso te incomoda, então não volte. Aff..... Você leu o texto e nem pra fazer um comentário digno.
Este blog tem conteúdo inteligente e informativo. Não é pra você mesmo não.

Oh, amiga, desculpa aí a ignorância de alguns comentários vazios e ridículos.

Rejane disse...

Infelizmente, ainda há muitas pessoas que se deixam direcionar pela mídia, que acaba mostrando apenas o que lhe convém.
É uma pena.
Acho que o "humano" nas pessoas tem se apagado com o passar dos anos.

Depois dos 25, mas antes do 40! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Depois dos 25, mas antes do 40! disse...

Para os que chegaram agora, o comentário ao que a Carla e a Rejane se referem foi excluído.

Não por ser uma crítica, tenho leitoras que pegam pesado, como minha querida do "Em formol".

Um dia desses ela começou um comentário dizendo: "Flávia e seus estereótipos sexistas..."

Ela sempre sincera e sem meias palavras. Mas mostra o seu rosto.

Como termino os posts com uma pergunta, estou aberta a todo tipo de opinião. E este é o obejtivo!

Muitas das respostas dadas por vocês ajudam, e muito, várias leitoras. Podem ver pelos comentários deixados.

Às vezes, a mensagem do dia não te toca tanto, mas seu comentário pode tocar uma pessoa do outro lado da tela.

Já me foi sugerido tirar a opção "anônimo", mas não o faço porque em muitos posts as leitoras se utilizaram desta opção para dar um depoimento pessoal, mas não querem ser identificadas por ser algo íntimo.

Por sorte, por aqui só passa gente que contribui e quando critica é de um modo civilizado.

Aproveito para agradecer a todos que fazem deste blog uma fonte tão rica de opiniões das mais diversas.

Pode criticar, mas no anonimato não dá.

Beijos a todos!

Linda Carioca disse...

Sim, deveria... e digo mais, a revolta deveria ser também por um animal morto, judiado ou abandonado.

Eles são filhos de Deus e infelizmente muita gente os trata com se não fossem nada... isso me deixa muito infeliz.

BJS !

Luciana Håland disse...

Deveria sim, mas aí também tem o fator financeiro, eles não eram qualquer pobres coitados, e o foco que a mídia deu pro caso.
Beijo

Carolina disse...

Concordo contigo, a banalização do que ocorrer no nosso cotidiano é tal que um assalto já vira piada.
Ocorre no (infeliz) caso citado é dois fatores graves: tendemos a tornar maior tudo o que é da classe média pra cima qdo mal sabemos o que acontece nas margens da periferia e o o outro fator é que nos sensibiliza mais ainda por ser a família que ainda é, uma instituição, digamos que sagrada.
Agora que esta garota não tem a mínima condição psicológica pra estar na rua, não tem mesmo. Isto é uma doente total!
bjos

Isabella disse...

Mas ela é branca, bonitinha, jovem....

E sim, a revolta deveria estar em todos nós e não só porque alguém morreu. Por crianças abandonadas, violência doméstica, fome e por aí vai...

Devathai disse...

Ih, é verdade, a violência foi tão banalizada, que é preciso algo absurdamente forte para nos chocar, e não deveria ser assim...

Ah, passando pra explicar o pooja: é um ritual do hinduísmo. Pode ser feito para agradecimento, pedidos, ou simplesmente orações mesmo. Geralmente os mais religiosos fazem poojas duas vezes ao dia, cedinho e antes das seis da tarde. Usam incensos, sininhos, velas, lêem parte dos livros sagrados e por aí vai... até mais e obrigada pela visita!

Drunken Alina disse...

Nossa, sempre tive a mesma visão que você no caso que toda pessoa que morre é amada por alguém.

Sempre que vejo alguma reportagem de alguém que morreu fico pensando "e quem ama essa pessoa, como deve estar agora?" e dá uma tremenda deprê.


Beijos!!

Isadhora disse...

deveria sim...
pra mim é!!!!
a pessoa pode nao ser importante pra mim, mas certamente é pra alguem!!!!

mas infelizmente alguns casos ganham mais repercussao do que outros...

Cheers! Fla disse...

Meu, ainda falam dessa menina (mulher)? Ela deveria ficar na cadeia como qualquer outra assassina que mata qualquer outra pessoa. Concordo que a sociedade deveria se chocar com qualquer crime, ateh mesmo um roubo de padaria, mas isso no Brasil jah nao acontece faz tempo. O erro eu acho eh focalizar quem ela matou (mandou matar, o que seja), mas deveriam focalizar no fato dela ser uma psicopata que deve pagar pelo crime que cometeu.

Como a Luciana falou, era uma familia com grana e logicamente um drama desse tamanho da muuuito ibope, tanto que depois de tantos anos ainda dao pilha para ela. Juga logo ela numa solitaria e a deixa lah.

bjs

Monique Rosa, rosa.Rosa? disse...

Eu entendi o que você quiz dizer.Concordo em parte.Realmente matar outra pessoa é o problema real.No meu caso, que tenho uma ligação familiar muito forte, é assustador alguém matar o pai ou a mãe.
Se alguém tem coragem de matar as pessoas que cuidam dele ainda mais os outros...Isso é assustador,ma a maldade não é coisa de hoje.

Angela Carolina disse...

Olá, cheguei aqui não sei como é adorei. Trabalho no sistema prisional, e concordo com vc qndo diz q a vida é mais importante, não importante quem a pessoa matou. Eu q nao sou da área juridica fico impressionada com o rumo q alguns casos tomam lá no meu trabalho. Difícil viu, uma coisa eu aprendi lá, q a justiça nem sempre é pra todos. Um bjo

Iseedeadpeople disse...

Hum, é que matar pai e mãe é chocante em qualquer cultura, qualquer país! Como pode-se matar aqueles que nos deram a vida? Não entra na minha cabeça isso. Essa psicopata nunca deveria ser solta!!!

Ai , desculpa se eu peguei pesado contigo algumas vezes, mas é que se tem uma coisa que me tira do sério é essa definição do que é "papel de homem" e do que é "papel de mulher". Não aceito estas definições impostas pela Sociedade e ponto final!E já peguei pesado em varios outros blogs linkados no meu, especialmente no das meninas muçulmanas,por discordar veementemente desta posição sexista. "Mulher discute relação, homem não fala." "Mulher é mais emotiva, homem é mais calculista" etc etc Odeio todos estes rótulos, e acho q todos deveriam se rebelar contra eles, especialmente as mulheres que são as que mais sofrem no mundo machista! E os homens tbm, visto que são sempre retratados como seres idiotas e toscos!
Aliás, postei um texto muito bom da Marjorie Rodrigues no meu blog, sobre a escravidão das "escolhas" femininas... se quiser, pode ir lá "pegar pesado" hehehe, polêmicas são bem vindas! E desculpa qquer mal-entendido!

Georgia disse...

Bem boiei nesse post pois nao sei o que ela fez para estar sendo CRUCIFICADA.

Bjus

Iana disse...

Toda atenção que se volta para essa jovem Suzanne, assim como para o casal Nardoni, é culpa da mídia brasileira. As pessoas têm incutidas em suas mentalidades que somente pessoas pobres e residentes nas faveladas podem e, ou devem cometer crimes. Em decorrência disso, quando há um caso em que jovens bonitos, bem sucedidos e de alto padrão monetário realizam alguma conduta deletéria, o jornalismo brasileiro capricha nas reportagens, e no sensacionalismo, como se estas pessoas fossem seres anormais, capazes de não cometer crimes.
Concordo com você quando diz que a revolta deveria ser geral, pela morte de todo e qualquer ser humano, independente da classe social, evidência pessoal, etc.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...