segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Mãe, Leoa ou Cágado?

Dou umas boas risadas quando uma mãe diz: "não mexe com meu filho que eu viro uma Leoa!" Penso: Santo Deus, de onde essa mulher tirou isso?

Todos os dias os filhos de todas as mães são colocados em risco diante de marginais que são soltos na rua por conta de uma justiça corrupta e leis ultrapassadas. E o que as mães fazem? Dizem:

- Ainda bem que tenho câmera de vigilância em casa e meu carro é blindado.

Ou a da classe média:

- O negócio é rezar?

E Leoa reza? 

Não vejo uma única mãe, que ainda não tenha perdido o filho, se juntar, juntar mesmo e se organizar toda vez que ouve que um deputado está gastando o dinheiro da merenda com carro novo.

Isso é coisa de mãe pobre, meu filho não depende de merenda. Não? Ok, mas a mãe Cágado esquece que vivemos em sociedade e a vida é um ciclo. O político que rouba e não é parado, tira do lanche do menino pobre. Amanhã esse menino passa fome, ai vem o traficante e dá a comida, ele fica grato (até eu ficaria), e ai, esse moleque cresce e aborda você no trânsito para te assaltar ou seu filho (fofinho) na porta da escola para lhe introduzir ao maravilhoso mundo das drogas.

E ai? Lembra no início desse parágrafo quando você não tinha nada a ver com isso?

Mãe é Leoa para o que? Para furar fila no médico? Para brigar com outra mãe na escola porque o filho dela arranhou o seu filho? Arrumar encrenca no playground? Para isso não precisa ser Leoa, vamos combinar.

Na Revista Cláudia desse mês vem a matéria: As mães do Rio. Mães que perderam seus filhos e agora vivem no pé da polícia e governo. Só depois da perda a mãe Cágado entende o real significado de ser a mãe Leoa?

As mães têm um poder absurdo nas mães, mas preferem usar todo seu esforço para ir ao salão e se o filho morrer chorar com uma roupa da moda no dia do enterro. Blogs de beleza estão cheios de seguidoras e os de ONGs e de protesto como os que exigem transparência dos governos? 

A mãe Cágado ouve a notícia na TV e fica aguardando algo ser feito para que seu filho amanhã não apareça morto ou tendo matado alguém. Meu filho? É, o seu filho que se não virar traficante, pode subir a favela para comprar droga. Meu filhinho? É, ele mesmo!E tudo começou naquele político que roubou, somente, a merenda do filho da mulher pobre, lembra?

Por isso, cada dia mais ando refletindo... Mãe, Leoa ou Cágado?

8 comentários:

Anônimo disse...

Odiei o que vc escreveu. Descobri q sou uma mãe cágado. educo meus filhos como se fosse entregar eles em um mundo perfeito. Visito vários blogs de beleza no dia mas nem lembro qdo fui a um de pais se unem para acabar com a violencia. Estou pensando no que disse.

Bjo - Matilde Machado

Albuq disse...

oi Flávia, Parabéns pelo texto!

As mães não se dão conta que acabam transformando o filho no que elas mais temem por não prepará-los para a realidade lá fora. As mães tem uma tendência a super-proteção que acaba destruindo o filho para a vida.
Seria bo que todas as mães pudessem se dar conta disso antes que fosse tarde demais.

bjs

Cintia Branco disse...

Flávia,

Definitivamente, não sou uma mãe cágado. Participo ativamente de movimentos populares e sociais e gerlamente carrego meu filho comigo. é claro que hoje, tomo mais cuidado, fico com medo de represálias, mas mesmo assim me posiciono sempre e ensino meu filha a isso.
Como Gramsci, odeio os indiferentes.
Beijos e boa semana

Trocando ideias - Espaço Mulher disse...

Ótimo post!
As mães acabam prejudicando os filhos com a super proteção. Acabam que não os preparam para esse mundo!
Bjssss
Dani

Raquel disse...

Amiga, ótimo post!

Sempre falei essa frase: "Se tocar no meu filho, eu viro uma leoa!". Mas com o seu post não consegui identificar que mãe eu sou. Não gosto de política, na verdade, nunca gostei e nem me interessei por essa área tão falsa e cretina, já tive péssimas experiências quando usei a política para conseguir um estágio. Meu filho tem 4 anos, ele é minha vida, ele é meu tudo! Crio ele de acordo com alguns ensinamentos que meus pais me deram e alguns ensinamentos que eu julgo correto. Realmente não penso no mundo das drogas, nos assaltos ou em todas essas coisas ruins que pode acontecer a cada dia com o meu filho. Sempre peço a Deus que o proteja e abençõe! É muito fácil falar ou se impor quando a gente ainda não é mãe, eu mesma era assim, falava de filhos, educação, manhas, e a gente sempre acha que nosso filho será lindo, perfeito, sem manhas ou choros, sem nos fazer passar uma baita vergonha no shoppingo ou coisas desse tipo...

Na verdade, agora eu me pergunto que mãe eu sou? Odeio política, mas amo meu filho e quero o melhor para ele sempre! Nem imagino o que fazer...

De qualquer maneira, o texto foi muito bem elaborado e rico de informações reais!!!

Beijos e te adoro!

Sonica disse...

Flávia, que texto!
Quer saber a verdade? Chorei. Sim, qdo percebi estava chorando. Chorando de espanto, de tristeza, de indignação de ler um texto tão profundo e verdadeiro!Vc conseguiu resumir o que qualquer mãe faz por seus filhos. Eu já "virei Hulk" várias vezes para defender meus filhos, e também me envolvo em movimentos, mas não sei se fiz ou faço td que é necessário. Estou sim preocupada e ocupada com a política, e vc conseguiu me deixar mais alerta!
Obrigadíssima,

Cleia Lucena disse...

Menina realmente, isso é certo!
E eu sempre digo que essas nossas leis arcaícas são uma droga mesmo! E a impunidade, melhor nem falar. E vai ficando assim mesmo, ninguem faz nada e nós ainda os elegemos.

Eu tava mesmo ausente, mas ja voltei!

beijos no coração

Sandra disse...

Flávia, não tem como ser leoa o tempo todo, mas também não dá pra se acomodar em ser cágado. Como tudo na vida, o segredo está no equilíbrio.
E concordo com você, se a violência cresce a cada dia, parte é culpa da negligência, parte é culpa da omissão. E até quem prefere esperar que o Estado faça algo tem que se preocupar em dar poder a quem sabe o que fazer com ele.
Parabéns pelo post!
Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...