segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Quando a gente ama, não pensa em dinheiro? Ainda só queremos amar?

Lendo a Marie Clair desse mês, fui brindada com o relato de uma brasileira que foi morar na França e se apaixonou por um brasileiro que trabalhava em circos da Europa.

Ela largou tudo e foi viver com ele, morando em uma caminhão que tinha divisórias para fingir que era quarto.

“Eu acreditava que para ser feliz bastava um amor e uma cabana. Hoje, mas velha, sei que não é assim."

Não estão mais juntos.

Ontem, em um churrasco, alguém pediu ao cantor que tocasse Tim Maia. E, quando sua clássica canção "Não quero dinheiro" começou a tocar, me surpreendi ao perceber que as pessoas cantavam aos berros, como se soltassem algo preso na garganta.

A maioria já havia passado dos 40 anos. E eram elas que mais se empolgavam, não por conhecer a música, mas, talvez, por sentirem que o amor e uma cabana do passado, agora não era tão florido assim. Que o amor, assim como a cabana, se desgasta e o dinheiro dá uma ajuda danada na reforma da cabana e na hora de dar aquela recauchutada no amor.

Mas, voltei meu olhar às meninas mais jovens da festa, na casa dos seus 19 anos e vi que elas também cantavam com empolgação. Coloquei minha mão no queixo, surpresa.

"Quando a gente ama não pensa em em dinheiro, só se quer amar... De jeito maneira não quero dinheiro, quero amor sincero, isso é o que eu espero, digo ao mundo inteiro: não quero dinheiro, eu só quero amar..."

A música é boa, mas pensamos mesmo assim?

Será? Evoluimos tanto profissionalmente, mas ainda pensamos no amor de uma maneira tão ilusória?  Por isso, desde ontem ando pensando... Quando a gente ama, não pensa em dinheiro? Ainda só queremos amar?

12 comentários:

Lúcia Soares disse...

Flávia, esta é a melhor fase da vida.
Quando acreditamos que o amor sobrevive a tudo.
Quando perdemos essa ilusão, a coisa fica muito seletiva, e lá vamos nós em busca do companheiro ideal.
Ideal quer dizer: com estudo, emprego fixo e de bom salário.
Salário que dê para suprir todas as necessidades, do arroz à viagem anual, de preferência para fora do Brasil.
Acreditei plenamente em "meu amor e uma cabana".
Hoje, sei que preciso de boa alimentação, bom plano de saúde, futuro garantido para os filhos, uma boa casa, um bom lazer e principalmente paz de espírito.
Mas era bom o tempo do amor e da cabana. Ô, se era!
Bj

Luciana Klopper disse...

Poxa, concordo plenamente com a Lúcia!

Jane disse...

Acho que tudo é uma questo de prioridades e principios. Nao acho que casamento seja feito para "ser feliz". Até porque nao acho que felicidade seja um objetivo a ser alcancado em fatores externos, e sim uma condicao, um estado de espirito interior e unicamente nosso. Jogar a responsabilidade da sua propria felicidade em cima do outro é no minimo imaturidade. Pior ainda se essa felicidade estar condicionada a conta bancária do outro. Quem se une a alguem cobrando do outro a conta da propria felicidade ainda nao entendeu o que é AMOR. E esse, se for verdadeiro, sobrevive a tudo sim! Se nao sobreviveu, é porque nao era amor. Beijos!

Eu, Damaris, para mim... disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eu, Damaris, para mim... disse...

Não acho que amor sobreviva a tudo.
Precisamos de amor, mas precisamos tbm de um pouco de conforto. Dizer que precisamos de amor e dinheiro junto com ele, soa um tanto agressivo.
Embora eu não acho que por ter dinheiro na conta um casamento pode durar a vida toda, o contrário disso pode sim destruir um casamento a longo prazo. Casamento precisa de manutenção,de novidades,e,romantismo à parte(para ser romantico não precisa ter dinheiro) isto gera um certo custo.
Rotina demais, aliada a problemas financeiros geram muito desgaste. O amor desgasta...
Não é que o amor precisa sempre vir acompanhado de dinheiro.O amor não nasce a partir de interesses financeiros. Mas eu não conseguiria amar alguem acomodado, sem interesse em buscar melhoria.
O casal pode e deve buscar estabilidade financeira dentro do casamento: juntos.

Trocando ideias - Espaço Mulher disse...

Eu só quero amar...e ser amada!
bjs
Dani

jaqueline disse...

Ola querida, e muito relativo , acho um o complemento do outro,no inicio o amor prevalece , mas ai vem a rotina , a falta do que comer, e com filhos tudo fica muito mais complicado, mas tb so o dinheiro e viver sozinho nao tera significado a vida chega ate ser tediosa a vida.... se der pra juntar os dois e maravilhoso ir a paris com um amor do lado....bju otimo post....

Ich, Hausfrau disse...

eu acredito no amor e quando um casal se ama de verdade, pode ser com ou sem dinheiro que sempre um estará do lado do outro para dar apoio. quem diz que o amor vai embora e o dinheiro é prioridade, é pq nunca amou e naum foi amada de verdade. bjo

Prity disse...

Vi uma reportagem no canal ESPM sobre o Pelé, onde o ator Miltom Nacimento dizia que a despeito da população dizer que o Pelé era racista, por apenas namorar mulheres brancas, o defendia dizendo que o Pelé namorou muitas mulheres negras, mas nos relacionamos basicamente com pessoas do nosso meio,no caso dele ricas ou classe média alta, e na sua maioria. Por isso, a quantidade de loiras e beldades brancas no curriuclo amoroso do Rei do futebol. Concoredei em partes. Acredito que nos relacionamos com pessoas do nosso meio, onde vivemos, o que fazemos, independente do dinheiro. Se estamos acostumados a viagens, cultura, ter um carro, é ridiculo pensar que amaríamos qualquer pessoa, amamos o que identificamos a certa maneira, e se não deu certo por falta de grana, aposto que antes era o melhor pra nós. Mas isso claro, sem contar as empreitadas amorosas, que todo mundo esta sujeito.

Sonica disse...

Instigante esse post, em Flavia?
E essa musica e tao gostosa, que penso que ninguem percebe muitooo a letra...enfim, acho que so a minoria so quer amar...
Bjs ,

Paty Chuchu disse...

Ola querida,tudo bem?Ai menina agora fiaquie com essa musica na cabeca kkk.mas qto ao tema que por sinal e muito bom,acredito no amor sim,mas tambem sou realista,dificil um amor sobreviver as preocupacoes financeiras,mas tb nao precisa ter um monte de dinheiro,basta apenas ter um trabalho honesto,uma renda mensal que de pelo menos pagar as continhas mensais .Como ja disse acredito no Amor mas ja vi grandes amores acabarem ou pelo menos diminuirem por essa questao.Mas independente disso Vamos continuar amando..Eu so´ quero amar..so´ quero amar..To falando que essa musica hj nao sai da minha cabeca..beijinhos

Andarilho disse...

Quando a gente tá apaixonado, não pensa em dinheiro. Não pensa, aliás. Mas paixão passa, e aí, o verdinho faz falta, hahaha.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...