segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Quando você começou a viver de verdade?

Neste fim de semana, na pós de jornalismo literário, estávamos lendo uns trabalhos e um deles falava sobre uma mulher de 30 anos, cuja mãe, uma mulher pacata, se apaixonou por uma integrante de um circo, quando ela tinha quatro anos. O circo estava passando por uma cidade no interior de Minas Gerais e ao avistar Mércia, trapezista do circo, a pacata dona de casa, casada, resolveu pegar a filha, uma mala e viver seu louco amor.

Apesar de uma história de filme, a filha se tornou uma grande executiva do IBOPE e hoje vive em São Paulo com sua companheira. Assim como a mãe, ela virou lésbica. Mas o que nos chamou a atenção, foi uma frase que ela diz ao final da entrevista. A repórter pergunta:
- Se tivesse que contar sua história, por onde começaria?
- Pelo dia que cheguei a São Paulo, aos 18 anos que foi o dia em que comecei a viver de verdade.
- Por que?
- Porque foi quando eu passei a viver a minha vida e não a da minha mãe.

Começamos uma discussão sobre esta pergunta. Uma menina de 25 anos disse que foi quando teve seu filho, a outra, de 50 ,disse que foi quando terminou de criar os cinco filhos, porque até então sua vida tinha estacionado e agora estava voltando à ativa. Outra disse que foi quando se formou e outra quando casou.

Eu fiquei com aquela pergunta na cabeça. Sinceramente não consegui achar nenhum ponto da minha vida em que eu sinta que tenha começado a viver de verdade. Um marco. Para ser sincera, acho que estou me preparando, assentando tudo para que este momento chegue. Claro que a gente vai vivendo, mas tem um momento especial em que começamos a viver a vida que realmente sonhamos para nós. Estar vivo é uma dádiva, mas mesmo assim, a pergunta ficou no ar: Quando você começou a viver de verdade?

9 comentários:

Anônimo disse...

Ei Fla, fiquei pensando nesta pergunta. Achei a história muito louca. Parece filme mesmo, neste curso de Jornalismo Literário você deve ouvir cada história... Sobre a pergunta, ainda estou pensando nela. Acho q, na verdade, estou procurando um marco na minha vida. Vou pensar depois passo aqui.

Bjos
Carol

Lucia Stevenson disse...

Nao sei se eu ainda comecei a realmente viver, mas posso dizer que parece que tudo ficou melhor quando fiz 30 anos. Parece que foi o fim da decada dos meus anos 20, nos quais detestei. Simplesmente por nao saber o que queria da vida e nao saber o que fazer pra descobrir meu destino. Foi a epoca na qual comecei a crescer interiormente e a entender as coisas, depois de muitas decepcoes e "quedas do cavalo".

Ano que vem acho que vai ser "IT" pra mim. Vamos comprar nossa primeira casa, finalmente sair da nossa divida e comecar a viajar pelo mundo afora - pelo menos e' o que planejamos e que o nosso caminho indica. Vamos ver. Talvez daqui a um ano eu possa responder essa pergunta melhor. Bjos

Cheers! Fla disse...

Oi Fla, eu sei exatamente, foi qdo fui esturdar hotelaria. Vivi todos os minutos daquela epoca, foi o maximo, me mudei pros States e nao estava vivendo com a mesma intencidade de antes, e ainda nao estou, mas o pique vai voltar... vai ter que voltar :-)

Bjs.

Cynthia Zanon disse...

Houve vários momentos na minha vida que foram 'marcantes'pra mim. Mas olhei pra trás, e tbém não consigo escolher um especial, que tenha sido o momento que realmente comecei a viver.

Na verdade, embora esteja vivendo o meu sonho, minha vida deu uma estacionada, e eu que não gosto de marasmo e rotina, não estou das mais felizes...

Vou logo encontrar o que fazer pra começar a viver de verdade - de novo!

Bjs,

Adriana disse...

Oi Fla! Eu definitivamente tenho um! Dia 25 de Abril de 2004, quando finalmente sai de casa e me mudei pra Italia, sozinha, na cara e na coragem. Minha vida teve muitos marcos, mas nesse dia posso afirmar com certeza que comecei a "viver", a ser independente e a ter a vida que sempre quis ter. Graca a Deus esse "momentum" tem se propagado nos utlimos 3ano e meio. E espero que nao acabe nunca!
Bjs
Adri

Anônimo disse...

Comecei a viver quando casei. Achava que casar era o fim da linha, da diversão, mas depois que casei passei a ser mais eu. Meu marido é muito animado e sempre viajamos juntos. Tenho certeza que foi ai que comecei a viver de verdade.

Beijo

Cheers! Fla disse...

Oi Fla, aquele dia entrei aqui pra responder sua pergunta, me empolguei com o post e esqueci...

Sobre os experiences pra mulheres, eles tem ida a spa, makeover, sessao de fotos, contratar um "personal shopper" e um vale pra comprar o que vc experimentar (ou o valor do vale), tem mais um monte de coisas.. nao lembro o resto.

Bjs.

Leda disse...

Já passei por mtos momentos que me fizeram reflectir sobre isso...Mas definitivamente o meu dia foi qdo resolvi(de uma vez por todas) dá um basta no relacionamento com o pai da minha filha! Isso foi em 2001 e desde esse dia eu percebi que ñ é preciso viver a vida do outro e se anular completamente para ser amada e feliz!

scliar disse...

Parece que vivemos uma vida, que é a vida idealizada, a vida aquela em que sentimos mais intensamente. E tem a outra vida, a não vivida, a sem marcos. Será mesmo assim? Tem uma poesia do Durmond que é fantástica. Chama-se Essas Coisas. E começa assim: "Você não está mais na idade de sofrer por essas coisas." (entre aspas mesmo). E continua:
Há então a idade de sofrer
e a de não sofrer mais
por essas, essas coisas?
E por aí vai.
Por isso, não tem data nem marco, não tem dia nem hora. Tem que viver. Ethel

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...