quarta-feira, 18 de maio de 2011

Casados x Sexo. Com que novos temperos você anda apimentando a sua comida?

Os mais machistas e corajosos dizem que ir para a cama com a mesma mulher por muitos anos é como comer comida requentada.

Você ama um prato, deseja-o e começa a comê-lo todos os dias, depois de um tempo a boca já não saliva tanto, quando se dá conta, você não agüenta nem sentir o cheiro e precisa desesperadamente provar algo novo.

Em relação ao ser humano a coisa não é tão simples assim. Mas a sensação pode ser bem parecida.

Ontem, o programa “A Liga” falava sobre casais que quebraram tabus e foram em busca de novas maneiras de sentir desejo na cama.

Vale de tudo, machucar o outro, sentir o chulé, levar outro para a cama enquanto o parceiro assiste, trocar de casal.

Logo de cara o sentimento é de repulsa. Mas o “enjoar” é um mal que atinge a todos. Alguns condenam os atos acima, mas vivem uma vida dupla. Um terceiro grupo opta por simplesmente parar de transar.

Um dia você não está com vontade, no outro está cansada demais e quando vê, outra pessoa chama a sua atenção. E ai, você ou seu parceiro, não resiste ao novo sabor. 

Talvez, esses casais mais "modernos" extrapolem o que é aceito pela sociedade, e nesse eu me incluo, acredito que pensam mais em seu próprio prazer do que no conjunto da obra.
Porém, mais do que ensinar posições e "perversões" esse casais mais ousados mostram que cabe ao casal buscar novos sabores ou simplesmente largar o prato de lado e fingir que tudo está bem.

Muito mais do que usar o tempero que você gosta é saber o que o "cliente" quer. Saber o que o seu parceiro deseja é o grande segredo para agradar e coservar o cliente, nessa via de mão dupla que é a cama.

Muitos casais transam diariamente, mas não é sinal de satisfação do cliente, por vezes é apenas falta de opção, mesmo. Assim...Casados x Sexo. Com que novos temperos você anda requentando a sua comida?

8 comentários:

Lidy disse...

Olá...

Assunto sexo= assunto tabu...

Muitas coisas se modernizaram..mais o sexo ainda é considerado tabu....

E eu concordo com o fato de com o tempo..o sexo não ser o mesmo depois que casa....eu as vezes leio ou ouço algumas pessoas dizendo depois de anos de casada que tudo continua como no inicio...ou que faz sexo todos os dias....dentro de mim já rola aquele.."será?"....pode até ser verdade...mais eu sempre desconfio....nada é perfeito né...

Eu ainda to escolhendo novos temperos....hehehe

Beijos!

Marcos Satoru Kawanami disse...

tutu pode-se comer o ano inteiro com água na boca.

obs: as feministas se frustram, enquanto as machistas gozam, inclusive das feministas.


=D
Marcos

Lúcia Soares disse...

Flávia, olha que o Marcos tem toda razão!
Esse é um assunto bastante polêmico e nem deveria opinar, pois sou de outra geração, tenho uma visão diferente. Ou não. Às vezes me pego pensando que se fosse jovem e solteira nos dias de hoje, pensaria do mesmo jeito de quando o era. Verdade!
Sou conservadora, mas nem um pouco careta.
O que mais desgasta as relações, hoje, na minha pequeníssima opinião, é a liberdade que as mulheres SE deram. Ser livre não é, nem nunca foi, poder ter quantos parceiros quiser.
Hoje se começa um namoro e no mesmo dia (ainda sem nem saber se vai dar em alguma coisa "mais séria")os casais já vão pra cama.
Intimidade se conquista com o tempo. Não dá pra confundir tesão com nada mais.
Por isso as meninas se frustram tanto com a falta de telefonema no dia seguinte...
Desde que o mundo é mundo, mulheres são passionais e homens são racionais...(inventei isso agora, viu? pode parecer jogo de palavras, mas achei legal).
O paralelo entre a comida e o sexo não me caiu bem. Os meus pratos preferidos estão sempre na mimha lista de desejos.
O amor não mudou nem vai mudar nunca. O enfoque sobre ele é que está equivocado.
Amor de verdade não acaba, relação baseada nele, no respeito, na compreensão, na amizade, sempre vai dar certo.
Sexo é apenas um detalhe, ao longo dos anos. A pareceria maior é a de almas. É acreditar que vale a pena "comer um saco de sal" com aquela pessoa (uma saca, viu? Acho que de 60 kg...rsrs).
A falta de entusiasmo, a falta de criatividade, o esquecer de cativar um ao outro é que amorna a relação. Apimentar é necessário e cada um faz o que precisar, mas achar que mudar de parceiro, numa relação aberta, usar o "voyeurismo", fazer acrobacias na cama, nada segura se o amor não sobressair.
Flávia, isso daria um post! rsrs
Beijo!

Missionária Bella Dourado disse...

Interessante. Na minha opinião o que acaba é a paixão repentina, o tesão desesperado como se não houvesse amanhã, para aqueles que assim são , mesmo depois da juventude.

Eu sou casada, feliz , e nosso amor não diminui os desejos nem afetivos nem sexuais ao longo dos anos, o que muda é a chegada de problemas de doenças que atrapalha um pouco, seja conosco ou da familia, atrapalha no sentido tempo.

Minha relação é como um jardim, eu procuro cuidar dele todo dia e meu marido também. Quando ciajamos nos falamos muitas vezes e trocamos mensagens.

Sempre trazemos na bagagem presentes, presentes estes que não significam $$ pode ser um bilhete, uma bala, algo que mostre que aquele que estava fora lembrou.

Por outro lado quem fica em casa recebe o outro com amor carinho e casa em ordem e o quarto todo higienizado, len~çois limpos e cheirosos.

Assim é o desejo não acabou , as vezes parece que nos amamos mais, quando ficamos só é férias na certa, rs,rs,rs

Não existe fórmula do desejo , mas a cumplicidade e uma relação abençoada monogâmica não cria desejos fora dela nem cobiça o alheio.

E uma dica, Natal, Páscoa, Ano novo, são datas comemorativas, mas as nossas datas de festa são:
Dia que nos conhecemos;
Dia do noivado;
Dia do casamento cívil e religioso
e ... inevitavelmente Dia dos Namorados,

Quando a gente ama sempre existe um motivo para comemorar e amar.

Desejo de coração que os casais possam ficar unidos e perceberem que o desejo do outro começa pela maneira de como nós desejamos a nós mesmas e depois demonstrar com letras, e tudo que for preciso.

Bjs que a chama não se apague entre os casais e que possa virar uma fogueira para os que infelizmente vivem com as cinzas.

Que Deus abençõe a todos e todas. bjs

Anônimo disse...

A cumplicidade é tudo nesse assunto...é muito melhor o sexo hj depois de muito tempo junto do q foi no começo...nos conhecemos mais, sabemos o q queremos...além de não deixar morrer a vontade de estar sempre junto...seja cm uma mensagem, um presente, um quarto arrumadinho...enfim...cada um se descobre...e cada um sabe o q lhe satisfaz..respeito as formas de busca de prazer de cada um, afinal cada um sabe de si, embora q alguns casos acho q é um pouco demais...não sei se seria adepta a essas novas formulas...mas um arroz com feijão ninguém enjoa de comer todo dia desde q seja feito com vontade amor e respeito ao seu parceiro(A).ATT. JU

Palavras Vagabundas disse...

Assino embaixo da resposta da Lucia Soares, o difícil hoje é comer uma saca de sal com alguém, todo mundo quer chegar rápido ao fundo ou se desfaz da saca.
bjs
Jussara

LICIA TATIANE disse...

O desejo só acaba quando a relação só é feita disso.Quando existe amor verdadeiro tudo é superado,tudo melhora com o passar do tempo,o casal passa a ter mais cumplicidade,respeito e sabe o que mais agrada a cada um.O tempero além do próprio amor é pensar em agradar mais o outro do que a si próprio,porque a outra parte vai fazer a mesma coisa e os dois vão sair felizes.

Erika Saab disse...

Uma vez um psicólogo que atendia casais disse que nunca viu um homem reclamando que sua esposa "negava fogo" depois de um tempo de casados, que essa queixa sempre vinha das mulheres com relação aos maridos. Isso gerou uma série de questionamentos: estariam estas mulheres "batendo o ponto" ou continuariam sentindo o mesmo prazer vontade do início? Caso estivessem fingindo, teria o homem mais dificuldade para mentir na cama ou simplesmente não se prestam a isso, ao passo que a mulher sempre se cobra em agradar o homem? Se estavam sendo verdadeiras, por que os homens cansam tão mais rápido, seria algo biológico, ou teria mais a ver com o modelo do casamento? É uma discussão para horas e horas de debate e uma tese enorme. A realidade é que novidade é bom e todo mundo gosta e que é impossível manter a mesma empolgação com alguém depois de muitos anos "repetindo" o número, mas nem por isso deixa de ser prazeroso. Incluir fantasias e fetiches ajuda? Sem dúvida, o problema é o casal ultrapassar esta barreira social que diz que sexo de casado deve ser diferente de sexo se solteiro porque tem que ter mais "respeito" (principalmente por parte do homem). Porém, até a fantasia e o fetiche têm poderes limitados a longo prazo, porque se o excitante destes é justamente o ser tabu, como mantê-los interessantes uma vez que passem a integrar a rotina no lar doce lar? Psicóloga só chega para confundir mais as coisas, né? rs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...